segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Na Rota das Aldeias de Xisto

Este fim de semana, a convite de um amigo, "meti pés ao caminho" e fui até à zona do Fundão.
Percorri a rota das aldeias de xisto, confesso que conhecia muito mal toda aquela zona, mas achei lindíssimo.
No domingo fui levado à “aventura” de um almoço na aldeia de Açor, mais propriamente à festa de artes e sabores da Maúnça. Fiquei a saber que esta festa se faz todos os anos por alturas do S.Martinho.

Neste fim de semana, as portas das casas abrem-se para o visitante. Cada casa, na sua “loja”, na sua sala, na garagem ou no armazém, são "Restaurantes ou Lojas", onde nos podemos deliciar com os seus sabores: o coelho no azeite, a chanfana, os brulhões ou maranhos, o cabrito assado, o feijão com couves acompanhado de carne da salgadeira e enchidos fumados, servidos com muita gentileza, pão caseiro e vinho da Maúnça. E as sobremesas da castanha, arroz doce, miaus, os queijos "corno" e à ovelheira ou cabreira.
Depois ajudamos a digestão com licores originais como o da castanha, a aguardente de medronho e mel e uma caminhada pelas "tasquinhas", na mira de mais uma gulodice ou para apreciar o artesanato local.

Comi umas “berças”, uma “prateirada” de feijão com couves a acompanhar enchidos e outras carnes, e para tal empreitada foi-me fornecido apenas um prato e um garfo, depois as mãos fizeram o resto. Para sobremesa um arroz doce feito pela avó Ana.

Julgava eu que era impossível encontrar alguém conhecido naquele lugar perdido nos confins da serra da Gardunha, puro engano, quando me preparava para sair lá estava uma colega de Escola, a Teresa Faria.

Sem comentários: