quinta-feira, 17 de maio de 2007

O Salão Ibéria

Quando andava de volta dos caixotes para encontrar umas quantas fotos da Escola para publicação no Blog dos Antigos Alunos, o meu amigo Guilherme, descobriu esta fotografia que é uma preciosidade.
Trata-se do interior do Salão Ibéria, onde se pode ver uma vasta assistência atenta a um evento ainda não identificado.
Julgo que não há muitas fotos que mostrem o interior desta sala de cinema que marcou a nossa geração, (estou a falar para os cinquentões). A plateia, com as suas cadeiras de pau, porque as almofadadas eram as do balcão, e estavam reservadas à classe mais abastada, estava repleta de assistentes. Curiosamente na fila da frente lá estão os meus sogros, no lado esquerdo, de óculos e engravatado, o Orlando Carteiro, um companheiro de Escola que já não vejo há anos, (dá notícias) e de camisola aos quadrados outro amigo, o Tomé Borges, a quem mando um abraço.
Mas voltando ao Salão Ibéria, segundo o jornal Circulo das Caldas de 8 de Agosto de 1917, as sessões de cinema já vinham funcionando há algum tempo. Nos anos cinquenta a sua arquitectura inicial foi reformulada, permitindo a exibição de filmes em “cinemascope”. Após longos anos de actividade o edifício ruiu na noite de 9 de Outubro de 1978.

Dados recolhidos na publicação “Duas memórias das Caldas”



5 comentários:

Luis Eme disse...

A foto é mesmo um achado.

O Salão Iberia do meu tempo já estava mais decadente... ainda me lembro que as cadeiras da segunda plateia eram de madeira...

Anónimo disse...

Foi lá que vi...o Ben Hur...

E já lá vai tanto tempo...

Maximino

wicca disse...

Tantos filmes que vi lá... O telhado desabou numa 2ª feira, dia em que não passavam filmes. Que sorte, hem? Se tem sido na véspera.... nem quero pensar!

Anónimo disse...

Salão Ibéria! Um grande salão não haja dúvida, recordo-me de ver o meu pai a esticar o papel cenário na mesa da cozinha, depois de termos jantado, puxar pela lata cheia de uma tinta azul muito mal cheirosa que aquecia no fogareiro a petróleo, mergulhar o pincel grosso na lata e começar a pintar os cartazes a anunciar os filmes para as sessões seguintes. Letras direitinhas, todas do mesmo tamanho, sem esboço por baixo,indicando os nomes dos artistas da época, as horas e todos os elementos relacionados com o filme. Depois estendia-os pela casa para secar enquanto se despedia dos filhos já deitados. Enrolava-os e saía de casa já noite dentro para os entregar. Lembro-me que recebia por semana 2$50 e uma entrada no filme que quisesse ver. Como tudo muda!
Lurdes Peça

luis ceiro disse...

Grandes recordações tenho eu do salão ibéria posso dizer que a primeira plateia bem como a segunda eram cadeiras de madeira,a segunda plateia ficava mais perto do ecrã tambem havia um piano.a primeira logo atraz,o balcão era o mais caro,ficava junto a maquina de projecçâo,o bar ficava por baixo da sala,a entrada e a bilheteira bem como os cartazes dos filme ficavam à entrada.bem como do lado da esquerdo e direito da sala junto as plateia havia duas saidas de cada lado!!