segunda-feira, 9 de maio de 2011

O Fado Ilustrado

Eu pertenço a um grupo de pessoas que acha que a Banda Desenhada não é uma arte menor. Durante a minha infância comprava semanalmente uma revista de BD “Tintin” que tinha tudo o que era autores da Escola Franco-Belga.

Na época havia poucos autores Portugueses, ou pelo menos era essa a minha percepção. Agora já vão aparecendo nas bancas algumas obras de autores cá do Burgo.

Este álbum que aqui trago, “O Fado Ilustrado”, é da autoria de Jorge Miguel e despertou-me a atenção pelo facto de alguma forma de se relacionar com as Caldas da Rainha, pois a figura central é o Pintor José Malhoa, onde entre outras coisas dá-nos conta das dificuldades do Pintor em passar para a tela “Os bêbados” e o “Fado”.
Sobre o Livro achei muito bom graficamente, em termos históricos tem muito trabalho de pesquisa, mas quanto ao “Guião da estória”  não é grande coisa, há várias histórias que não se ligam muito bem. Ainda assim vale a pena ler.
  
O Autor pretendeu….”ligar várias personagens que tivessem todas vivido naquele tempo e que por alguma razão estivessem ligadas. O fio condutor tinha-o mesmo colado num poster na parede do meu atelier: "O FADO" do pintor Malhoa. Quando soube que os modelos para aquela obra tinham sido personagem reais, fez-se luz na minha mente: Ligar toda esta gente toda:
O meu escritor preferido, o Eça, o Ramalho, os outros Vencidos da vida, grupo a que pertencia também o rei D. Carlos, o Grupo do leão a que pertencia Malhoa, as figuras pitorescas do bairro da Mouraria (as personagens que utilizo existiram realmente), fadistas da época, tudo num ambiente de ameaça terrorista por parte da Carbonária portuguesa.
Note-se para a "pequena" História que a massa Carbonara ganhou o nome a partir de aí."

1 comentário:

Luis Eme disse...

também acho a BD uma arte maior, Zé.

vou ver se encontro.