domingo, 1 de agosto de 2010

As cassetes

Hoje quando procurava umas coisas na garagem abri uma caixa onde guardo algumas dezenas de cassetes de áudio e fiquei ali a olhar aquelas peças que hoje são uma tecnologia saudosista mas marcaram uma geração.

Lembro-me que quando sai da Escola fui trabalhar para a Eléctrica Vidigal Caldense e o meu primeiro ordenado, 210$00 por semana, foi para a entrada de um belíssimo gravador de mesa Siera.

A partir dessa altura eram noites passadas a gravar as BASF ou TDK, pois gravar as músicas noutras marcas “ranhosas” estava completamente fora de questão.

E o cuidado na selecção das musicas… sim porque como é obvio não se misturava na mesma face musicas do Roberto Carlos, Nelson Ned ou outros românticos, com os sons dos Bee Gees, The Doors ou Creedense Clearwater Revival, porque quando as cassetes eram utilizadas nos bailes de garagem não era de bom tom cortar um momento romântico com musica mais mexida.

Coisas de ontem …. O CD deu o golpe de misericórdia nas cassetes.

Hoje vamos à Net e descarregamos uns MP3….também é musica, mas não é a mesma coisa.

3 comentários:

Anónimo disse...

Pois assim era e nalguns casos até se repetia a mesma musica para prolongar a dança com o mesmo par.
Outros tempos!!!!

Alfredo disse...

As cassetes
Pois é meu amigo, estas já são relíquias. Eu, antes de chegar até elas ainda tive de passar pelos cartuxos. O primeiro auto-rádio que comprei, para o Mini Clubman, uma bomba, funcionava com os cartuxos, umas cassetes enormes, caixas quase do tamanho do carro mas que até debitava um som daqueles. Recordo agora ter comprado o carro no stand do Bernardino Subtil, frente ao Montepio, custou-me 38 contos com 100km no conta-kilómetros que foi a distância que ele percorreu desde Lisboa até ao stand e chegar ás minhas mãos.
Imagina o caixote que tinha dentro do carro para armazenar a colecção destas cassetes pré-primitivas, isto se atendermos ao facto de que as que vieram a seguir, iguais ás da foto, serem primitivas. E o curioso é que não se ganhou somente no espaço de ocupação mas também no armazenamento de gravação pois os cartuxos, salvo erro, só comportavam 12 canções, um LP, e não podiam ser gravadas por nós, já vinham gravadas.
Ainda tenho uma enorme colecção de cassetes, gravadas noutros tempos, bem como cassetes com programas para computador, o famoso Spectrum e o ZX. Logo não é de admirar a nossa estupefacção quando apareceu o MP3, um aparelhozinho do tamanho de um alfinete de peito, com uma capacidade de armazenar centenas de músicas… afinal, concluindo e resumindo os primitivos somos nós.
Um abraço
A.Justiça

Pezinhos na Areia disse...

Tempos únicos…
Nesses bailes podíamos escolher as músicas. E "encaixar" os slows...
Procol Harum, Emerson, Lake & Palmer, Supertramp, Pink Floyd…
Grandes bandas!