terça-feira, 22 de setembro de 2009

A Oliva chegou ao fim

A Oliva apresentou um pedido formal de insolvência. Chega assim ao fim uma Industria emblemática dos anos 50/60.

Fundada em 1925 como "Oliveira, Filhos e Cia. Lda", esta empresa de S. João da Madeira começou por dedicar-se à indústria de fundição, serralharia, serração e carpintaria mecânica.

Em 1934 chegavam à Oliva os fogões de cozinha, ferros de engomar, radiadores e tornos de bancada e em 1948 era inaugurada a fábrica das máquinas de costura que lideraram o mercado nacional durante mais de 30 anos.

Oliva - Uma verdadeira máquina em coser, chulear e até em trabalhar com duas agulhas!

Era Assim a publicidade dos anos Sessenta.

Da Oliva resta os imóveis que são considerados exemplos maiores da arquitectura industrial portuguesa dos anos 50 e 60, e tanto quanto se sabe irão ser aproveitados para um pólo de desenvolvimento Industrial.

Nota: Esta foto é de uma parede algures no Porto e publicada no Blog "Bonecada de Alexis"

2 comentários:

Anónimo disse...

Já lá vão muitos anos, mas ainda me lembro, que uma noite, estava eu a estudar na casa de jantar, pois os tempos eram difíceis e ainda não havia disponibilidade financeira de cada filho ter um quarto próprio, por isso de dia a sala de jantar era a sala de estudo, e à noite, transformava-se em quarto de 2 irmãos...bom mas adiante!
Bateram à porta, e qual o meu espanto que vejo entrar na minha casa o professor de Física e Química, Dr. Seringa, perdão, Dr. Sarmento.
Depois dos cumprimentos habituais, verifiquei que a presença dele na minha casa, devia-se ao levantamento de uma máquina de costura (não me recordo a marca), pois meu pai tinha acabado de a arranjar, (trabalho em part-time para alguns trocados) e lá foi o Dr. Sarmento dizendo à despedida para o meu pai :" mas que rica peça tem o sr. aqui" referindo-se claro está à minha pessoa, e lá foi muito satisfeito com a obra feita, e para meu alívio não comentou as tropelias que eu fazia nas aulas, foi por pouco!!!
Lurdes Peça

Joaquim disse...

A grande publicidade da maquina de costura Oliva, nas Caldas era nos grandes jogos de bola (anos 50's e 60's e que se ouvia ao som dos alti falantes, vindos da Mata por toda a cidade e que era mais ou menos assim. Oliva, Oliva/ Minha feiticeira/ Padroeira de alta costura/ Do Algarve ao Minho/ Lá por onde passas/ Tu dás mil graças à formusura...Quim Chaves