quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Vamos lá falar das Caldas de outros tempos

O meu amigo Joaquim Sobreiro não sabe estar sossegado e desinquietou-me para uma tertúlia sobre as Caldas de outros tempos. Como o tema me apaixona rodeei-me de alguns amigos e lá fomos dar voz às memórias que fomos guardando sobre a actividade comercial da nossa cidade. Foi uma noite muito divertida, outra coisa não seria de esperar com tão boa companhia, e como a conversa é como as cerejas, já ficou apalavrado que a “coisa” não ficaria por aqui e teria novos capítulos. Uma palavra de agradecimento ao brilhante empresário Joaquim Sobreiro Duarte, que tem uma paciência de santo para aturar estes “maduros”.



terça-feira, 13 de fevereiro de 2024

Porque hoje é Dia Mundial da Rádio

Porque hoje é Dia Mundial da Rádio lembrei-me de algumas modestas participações que tive em várias rádios locais.
Já lá vão os tempos em que estas estações emissoras tinham um papel relevante na informação local, mas os tempos são outros e devido aos constrangimentos de ordem económica, a maioria fechou as portas ou venderam a “frequência “a estações nacionais. Dirão que é o desenvolvimento, mas eu que vivi o início das “Rádios Piratas” sinto alguma nostalgia.


  

terça-feira, 6 de fevereiro de 2024

Os Antigos Alunos estão de volta

Uma jantarada no Real Balcão 5 marcou o início dos trabalhos do 29º Encontro dos Antigos Alunos da Escola Industrial e Comercial, ou para os mais novos Rafael Bordalo Pinheiro.
O encontro já está delineado e em devida altura daremos conta, para já tomem nota da data, primeiro sábado de maio, dia 4.


sábado, 3 de fevereiro de 2024

Uma volta pela Foz do Arelho

Para aproveitar estes dias de “primavera” impunha-se uma voltinha pela beira-mar e uma bela almoçarada na “Cabana do Pescador”, que fazem um arroz de marisco divinal. Um dia destes vou lá voltar, ao restaurante, porque à Foz do Arelho não dispenso passeios regulares, principalmente junto ao “Braço da Barrosa”.



sábado, 27 de janeiro de 2024

Rua Miguel Bombarda

Este Postal ilustrado editado por Typ. José da Silva Dias, mostra-nos a Rua Miguel Bombarda, por volta dos anos trinta.
Esta artéria da cidade cujo nome anterior era Rua Serpa Pinto, aparece referenciada na sessão da Câmara de 24 de Outubro de 1871 que deliberou “que a feira semanal de porcos grandes e pequenos passasse a ser no largo existente com o fim da Rua do Jogo da Bola (Rua das Montras) e passasse para a Rua dos Monturos, no largo que fica ao fundo do Jogo da Bola”. No final do século dezanove passa a Rua Serpa Pinto e em 8 de Março de 1911, passa a denominar-se Rua Dr. Miguel Bombarda.

domingo, 21 de janeiro de 2024

Os Bichos-da-Seda

Este Postal Ilustrado do princípio do século XX, (O que tenho na minha colecção tem o carimbo dos CTT de 25-09-1913) mostra-nos uma Avenida com imensas amoreiras e plátanos, e a estação da C.P. ao fundo.
Esta imagem leva-me até aos anos sessenta, onde era frequente ver rapazes e raparigas a apanhar folhas de amoreira para alimentar os Bichos-da-Seda, que criávamos dentro de caixas de cartão, onde construíam o seu casulo, transformando-se dias depois em crisálidas.
Se as experiências não eram altamente científicas, eram pelo menos muito enriquecedoras.


quarta-feira, 17 de janeiro de 2024

Hotel Central

Este lindíssimo rótulo do Hotel Central, leva-nos até ao Largo José Barbosa, outrora “Terreiro das Gralhas”, por volta dos anos trinta.
No Postal editado por Fernando Daniel de Sousa em 1935, podemos ver o Hotel Central a servir de fundo ao busto de bronze de homenagem a José Malhoa.
O escultor desta obra foi Costa Mota e o pedestal foi concebido pelo arquitecto Paulino Montez.
Este Busto encontra-se no Museu Malhoa desde 1940.


sábado, 6 de janeiro de 2024

Grande noite

A coisa estava prometida, aproveitando as férias natalícias dos meus “Holandeses”, demos corda aos sapatos e fomos até ao Estádio de Alvalade, para assistir a uma jogatana de futebol, e que jogo, cinco a um ao Estoril num ambiente espectacular, até os meus netos que não são muito dados a estas “Lagartices” vinham entusiasmados com o espectáculo, e claro também foi bom porque acrescentaram mais algumas palavras ao seu conhecimento da língua de Camões.


quarta-feira, 27 de dezembro de 2023

Bom ano

2023 está a chegar ao fim, é hora de fazer o “balanço”. Para trás ficou algumas coisas boas, outras nem tanto e alguns projectos adiados, mas o 2024 está à porta e é tempo de pensar em bons momentos para serem partilhados com a família e amigos.
Por isso ergo o meu copo de champanhe para desejar que cada minuto de 2024 seja vivido com a alegria que desejam e que sejam 366 dias só de coisas boas.
VIVA 2024

domingo, 24 de dezembro de 2023

Bom Natal

Aproveitando os bonecos criados pelo meu amigo Fernando Sarzedas, desejo um bom Natal a todos os meus amigos e familiares.


sábado, 9 de dezembro de 2023

O Natal está a chegar

As iluminações aí estão para anunciar esta quadra fantástica. Muitos dirão que isto são ideias de uma sociedade que procura o consumo desenfreado, mas filosofias à parte é também nesta época do ano que as famílias estão mais próximas.
Como não há Natal sem iluminações, aqui está uma apequena amostra de como a minha cidade se engalanou para receber esta quadra natalícia.
Já agora, um grande Natal para todos com saúde, na companhia das pessoas de quem mais gostam.  








domingo, 3 de dezembro de 2023

FCC

Ontem foi dia de antigos atletas e dirigentes se reunirem numa jantarada para recordar um clube mítico das Caldas da Rainha, o FCC – Futebol Clube das Caldas, Fundado em 1953, filial nº57 (?) do FC Porto, teve o seu eclipse no início do seculo XXI.
Entre discursos inflamados a sugerir o renascimento da colectivade e o calor humano que transbordou o pequeno espaço para tanta gente, foi uma noite bem passada.
Na foto que publico, lá estou eu com dois amigos, o Arlindo Rosendo e o Jorge Feliciano, que já não via há uns bons quarenta anos, na altura eu trabalhava no Anselmo em Caldas e o Jorge no Anselmo e Bajouco em Alcobaça. 

 
 

sábado, 25 de novembro de 2023

O Casino do Parque

O Casino do Parque teve períodos de glória no primeiro quarto do século XX, quando as Caldas, por via das Termas, era ponto de paragem da classe mais bem instalada na vida.
Com os anos, o edifício, que se situa no interior do Parque D. Carlos I, foi-se degradando. Depois de 1975, sofreu algumas obras de remodelação e passou a denominar-se Casa da Cultura. Nos anos noventa, iniciou-se um projecto de remodelação “megalómano” que além de gastar uma “pipa de massa” teve como resultado a morte do edifício. Nos últimos anos recuperou-se o Céu de Vidro, pena que continue ladeado por dois edifícios completamente degradados.
Fica aqui como recordação um cartaz, datado dos anos sessenta, de um espectáculo que era abrilhantado por um dos maiores “Entertainers” do panorama Nacional: Max, um madeirense de gema.

domingo, 19 de novembro de 2023

O Campeonato de 56/57

Faz parte das minhas colecções este magnifico calendário da época de futebol de 56/57, onde o Caldas marcava presença, e esta peça deu o mote para este “post”.
Algumas destas equipas míticas do futebol foram marcantes para a minha geração, tal como o Barreirense, o Atlético, o Lusitano de Évora, a CUF e muitas mais, também o Caldas teve os seus momentos altos na divisão principal do futebol Nacional.
O Caldas que foi fundado no dia 15 de Maio de 1916, por um grupo de Caldenses composto por Eduardo José Valério, António Lopes Júnior e João dos Santos Arenha, estreou-se na primeira divisão no ano de 1955/56, sob o comando do excelente treinador José Sezabo, onde se manteria até 1959.
Actualmente o futebol perdeu alguma “graça”, o “desporto espectáculo” trouxe para o mundo da bola interesses muito duvidosos, e socialmente perigosas.





sábado, 11 de novembro de 2023

121 Anos da Associação Comercial

Há 121 anos Rafael Bordalo Pinheiro presidiu a uma reunião no Hotel da Copa para aprovar os estatutos da Associação Comercial e Industrial. De lá até aos nossos dias esta Associação tem tido altos e baixos, mas sempre com uma acção ininterrupta o que a torna numa das Associações Empresariais mais antigas do País.
Deixo aqui os meus parabéns a esta instituição e junto uma fotografia de uma açção de formação da ACCCRO, onde eu e alguns comerciantes participamos, julgo que no ano de 1996.


sábado, 4 de novembro de 2023

Nós os Colecionadores

Diz o dicionário que o colecionismo é a prática que as pessoas têm de guardar, organizar, selecionar, trocar e expor diversos itens por categoria, em função de seus interesses pessoais.
Pessoalmente eu que sou um “maluquinho” das colecções, defendo que estas podem ser fonte de inspiração criativa, além de exercitar uma série de ferramentas mentais importantes.
Perguntam-me por vezes o que é que leva uma pessoa a gastar dinheiro em coisas que não vai usar, mas a satisfação dos colecionadores em adquirir uma peça, é muito gratificante e de certa maneira é uma forma de nos levar para uma zona de conforto.
As novas gerações não são muito dadas a esta actividade, o que é uma pena, porque era uma forma de dispensar as caixas de “Xanax” que devoram, para combater o stress e a ansiedade. 

quarta-feira, 1 de novembro de 2023

Quem disse que os legos é coisa de “putos”?

Eu acho que há coisas que não têm idade, ou dito de outra maneira todas as idades são boas para apreciar umas boas construções de legos, pois bem…foi o que eu fiz esta tarde.
A exposição tem peças interessantes, mas a sua apresentação um pouco desenquadrada tira-lhe algum brilho, mas mesmo assim vale








a pena visitar.

domingo, 29 de outubro de 2023

O Silva Santos

Lembrar o Silva Santos é recordar uma das pessoas mais extraordinárias do comércio da Cidade. Durante vários anos foi a única livraria, tinha como característica a enorme confusão que reinava na arrumação dos stocks, embora aparente, pois à pergunta “Ó Sr. Silva Santos tem o……. Ele respondia invariavelmente “sim senhor passa cá logo à tarde que eu guardo.”
Era um homem de uma cultura acima da média, e cada venda por ele efectuada era acompanhada de uma conversa minuciosa sobre o artigo vendido.
No final da década de sessenta, o estabelecimento localizado na Praça da República, encerrou as portas, e o Sr. Silva Santos viria a falecer em 2 de Julho de 1981.


quarta-feira, 25 de outubro de 2023

A Praça no início do seculo XX

A Praça da República, ou Praça da Fruta, como nós gostamos de dizer, é provavelmente o lugar na cidade mais fotografado,
O postal com o número 717, é uma edição de Alberto Malva de 1908, tem a curiosidade de se poder observar
a sede da Associação Comercial que se encontrava num dos topos da praça, onde hoje se encontra o edifício do Banco, outrora os Armazéns do Chiado.
O outro postal é uma edição do Novo Salão de Barbear, que se localizava nesta mesma Praça nos nº 26 e 27, segundo o livro “Caldas da Rainha – Bilhete-postal Ilustrado” de Vasco Trancoso foi editado em 1911. (O que tenho na minha colecção tem data dos CTT de 13-08-1958).


sábado, 21 de outubro de 2023

Do tempo dos Pirolitos

Gosto particularmente da história do comércio local, até porque Caldas da Rainha é uma cidade de grande tradição do comércio de rua.
Hoje os meus apontamentos incidem sobre uma firma que completou em Abril, 84 anos de existência e continua a laborar com a importância que lhe reconhecemos.
Caldeira & Caldeira foi fundada por António Caldeira, natural de Arganil, que em parceria com os seus sócios António Nunes e Serafim Nunes, constituíram a empresa que produziam e distribuíam os famosos sumos em garrafas com o berlinde, conhecidos vulgarmente por Pirolitos.
A firma inicialmente instalada na Santa Rita, passou para a Rua da Praça de Touros e posteriormente para a Rua Sales Henriques já com o António Caldeira como o único proprietário, é nessa altura que estabelece uma parceria com a Rical que não foi muito duradora. No final dos anos oitenta instala-se na Zona Industrial e continua a sua actividade gerida pela bisneta do fundador, Sofia Caldeira.
A sua marca de referência actualmente é a Super Bock, que certamente representará o seu maior volume de vendas.
A este pequeno apontamento, que teve por fonte uma reportagem na Gazeta das Caldas em 2019, junto algumas imagens das minhas colecções.





quarta-feira, 18 de outubro de 2023

Hotelaria com história

O Hotel da Copa situava-se na Rua Miguel Bombarda, antiga Rua Serpa Pinto, e quando o seu proprietário Manuel Saudade e Silva o inaugurou em 1900, era uma das principais unidades hoteleira da região.
Os anúncios da época referiam a excelência dos seus aposentos.
“Estabelecimento de primeira ordem na artéria de maior circulação, a dois minutos da Estação do Caminho-de-ferro e do estabelecimento Thermal, possuindo uma espaçosa e magnífica casa de jantar com mezas para 1 a 6 pessoas.”
Por 400 réis, os seus clientes podiam viajar de Caldas à Foz do Arelho e voltar, e por 800 réis tinham um jantar de 5 pratos.


quinta-feira, 5 de outubro de 2023

Viva a República

Na manhã de 5 de Outubro de 1910, quando José Relvas, na varanda dos Paços do Concelho, gritou “Viva a República” estava a dar a voz a todos os revoltosos que curiosamente eram provenientes das camadas sociais mais elevadas, muitos deles ligados à Maçonaria ou à Carbonária. Com o eclodir do movimento juntaram-se a eles parte da população que não via com bons olhos a Monarquia.
Este dia traz-me à memória alguns Republicanos Caldenses que neste dia se juntavam na Praça para evocar a efeméride, entre eles o mais entusiasta era o “Velho Antão” que munido do seu estandarte, proclamava alto e bom som vivas à Republica.

domingo, 1 de outubro de 2023

“Vamos Mudar”

No passado dia 26 de Setembro o movimento “Vamos Mudar” completou dois anos após a vitoria nas eleições autárquicas.
A meio do mandato é uma boa altura para fazer o balanço do que tem sido a gestão da autarquia da equipa liderada pelo Vítor Marques, dirão uns que tem sido uma desilusão, outros dirão que tem sido muito boa, eu direi que nem uma coisa nem outra.
A máquina da gestão pública é diabolicamente burocrática, e esta equipa não conseguiu escapar a esta teia, tem sido um trabalho esforçado, mas há muito por fazer, e julgo que se “afastaram um pouco das pessoas” o que levou a falhar em “pormenores” de capital importância.
Continuo a acreditar que as Caldas estão em boas mãos, e reforço a minha opinião de que foi um privilégio ter participado modestamente nesta “luta” e ter conhecido melhor um grupo de pessoas fantásticas, onde a competência de uns, misturada com a irreverência de outros, fizeram deste movimento uma pedrada no charco.